Imagem2Apaixonado pela natureza, por música e pelo Kung Fu, afetuoso na família e um profissional dedicado, é assim que quem me conhece me descreve. A vida nos desafia e nos põe frente a escolhas a todo momento. Por isso, quero me apresentar a você falando das minhas escolhas: elas dizem mais de mim do que trabalhos que fiz ou títulos que conquistei.

Escolha #1

Em 2001, vivi uma das minhas primeiras grandes escolhas: inscrever-me para o vestibular. Neste período eu me sentia pouco preparado para decidir: não conhecia bem as opções de profissão nem me sentia atraído especialmente por nenhuma carreira em particular. Escolhi, por fim, Psicologia, seguindo o exemplo dos meus pais e em busca de autoconhecimento.

Lição que aprendi #1

Livros 2Devemos sempre respeitar as escolhas que fizemos no passado, pois sempre escolhemos no melhor julgamento que tínhamos à época, visando os melhores resultados. Se as coisas não saírem como esperávamos, ou se algumas escolhas derem maus resultados, há uma oportunidade de aprendizado, e aprender (inclusive com os erros) nos leva para mais próximo dos nossos objetivos. A culpa só paralisa e desmotiva, e erros não são uma condenação da conquista, são uma aproximação da vitória, se soubermos utilizá-los com uma atitude favorável. Chacoalha a poeira e siga em frente, a vida é sua!

Escolha #2

Formei-me em 2008 na Universidade Federal de Minas Gerais, com orgulho da minha nova ocupação. Já mais maduro, o significado daquilo para mim era diferente. O Psicólogo é alguém que apoia pessoas e favorece seu desenvolvimento, em qualquer ambiente em que atue. Uma profissão nobre, coerente com meus valores e crenças.

A formatura é outro momento de importantes definições: assume-se uma nova identidade perante o mundo. Escolhi trabalhar para empresas privadas, um ambiente voltado para resultados, em que constantemente surgem conflitos com valores como a saúde, o desenvolvimento e bem estar das pessoas. O que me movia nesta direção profissional era o desejo de demonstrar que desenvolvimento humano e resultados (inclusive resultados financeiros) não podem ser dissociados! Os melhores resultados só podem vir de pessoas capacitadas, respeitadas e saudáveis, mental e fisicamente. Esta é uma crença que até hoje é central na minha maneira de agir e me relacionar.

Trabalhei por vários anos como parte do time de Recursos Humanos de empresas e então mais vários anos como consultor. Senti que estava construindo uma carreira consistente, desenvolvia minhas habilidades, ativava meu potencial e conquistava autonomia. O caminho, no entanto, não foi fácil, e a estrada trouxe vários obstáculos, em especial alguns vindos de dentro.

Passei por situações que me colocaram cara a cara com meus fantasmas e medos. Tive que lidar com níveis altíssimos de estresse, medo do fracasso, ansiedade, problemas pessoais, muitas vezes simultaneamente. Não quero, com isso, dizer que eu sou alguém de força excepcional. Você mesmo com certeza já passou por momentos tão difíceis ou mais. Às vezes perdemos as esperanças, e não conseguimos ver nenhuma saída por mais que procuremos uma solução. A vida nos traz estas experiências. Felizmente, com apoio, persistência e trabalho pessoal saí delas fortalecido, como certamente você também saiu.

Lição que aprendi #2

FloresTodos passamos por momentos críticos em nossas vidas, fases que chamamos de ‘fundo do poço’: o término de um relacionamento, a perda de alguém muito querido, uma doença, uma crise emocional ou a perda de um trabalho, por exemplo. Nestes momentos a carga é tão pesada e o desafio tão grande que tendemos a perder as esperanças e a vontade de lutar. Ainda assim, se há uma certeza na vida, é a certeza da mudança. Isso faz possível a superação de momentos difíceis, o que favorece novas conquistas. Três aliados principais desta vitória são: o tempo, o trabalho (interno e externo) e o apoio. Acolha-se, aja e busque o suporte necessário.

Escolha #3

Anos se passaram, e, mesmo com uma vida profissional desejada por muitos, algo dentro de mim dizia que aquele não era meu lugar. Tinha um salário satisfatório, convivia e trabalhava para empresas renomadas e pessoas interessantes, tinha oportunidades de desenvolvimento dentro e fora do Brasil, mas alguma coisa me faltava. Você já se sentiu assim, dando seu melhor para algo importante, mas na verdade não parece que é VOCÊ quem está fazendo? Seu cérebro e suas mãos estão ali, mas seu coração, nem tanto.

Outras atividades pessoais me enchiam o coração, mas naquele meu modo de vida eu não conseguia me dedicar a elas o suficiente. Profissionalmente, eu não sabia exatamente o que queria, mas tinha algumas dicas. Era importante que eu aproveitasse meus talentos em favor de outras pessoas, provocando reflexões e dando apoio a se desenvolverem. Nada me dá mais gosto e satisfação do que ver alguém bom, fazendo algo de maneira excelente, se sentindo bem com isso e colhendo resultados! Sei disso porque era justamente quando eu fazia isto na consultoria, que eu me sentia mais realizado, que eu sentia que eu era eu mesmo!

Identifiquei o cocahing como uma boa maneira para conjugar minhas ambições pessoais e profissionais. Comparei os riscos e benefícios de realizar a transição e de não realizar. Fiz a tentativa de viver e experimentar aquilo que para mim era um sonho, correndo o risco de não ser o que eu esperava. A outra opção era permanecer naquela situação, correndo o risco de me tornar uma pessoa insatisfeita no trabalho e de quebra não ter conseguido investir nos aspectos pessoais importantes para mim. Mais tarde poderia ser muito tarde. Além disso, todas as escolhas, até a escolha pela permanência na situação, trazem riscos. Então, planejei e executei meu plano.

Lição que aprendi #3

Estrada 2 É sempre possível um recomeço. Não assumir riscos para buscar uma situação melhor também é um risco! O risco nunca vai deixar de existir, mas ele é gerenciável. Se não há condições no momento para o seu novo projeto, ou para uma mudança importante, trabalhe para criar condições.

Este sou eu, uma pessoa com uma história semelhante em alguns aspectos à história de outras pessoas, mas com uma configuração única, e com talentos que podem fazer a diferença positivamente neste mundo. O meu talento e paixão é apoiar e potencializar o desenvolvimento de pessoas de bem, que também querem fazer a diferença no mundo e que buscam apoio para encontrar seu caminho e o seu lugar, para desenvolver e realizar seu potencial. Posso ajuda-lo a identificar seus recursos, se conhecer melhor, fazer escolhas, planejar e trilhar caminhos que vão te dar a base para alcançar o que você deseja, conectados aos seus valores.

Apoiar meus clientes a descobrir, planejar e executar aquilo que os move: é isto que me move!